O caminho da compaixão

Postado por

“Um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: ‘Se queres tens o poder de curar-me’. Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: ‘Eu quero: fica curado!‘” (Mc 1,40-41).

Novamente neste Evangelho vemos Jesus curando um leproso de sua enfermidade. Porém, o mais bonito desta passagem é que o evangelista Marcos escreve que Jesus era um homem que estava cheio de compaixão. Foi movido por essa compaixão que Jesus estende a sua mão, toca a lepra e o homem fica curado.

Sentir compaixão é colocar-se no lugar do outro. Jesus sentiu compaixão por que, mesmo sendo Deus, Jesus se fez humano. A compaixão de Jesus é um sentimento humano, afinal Jesus sendo divino conhecia as fragilidades e sentimentos humanos. A compaixão que Jesus sentiu é um sentimento que todos nós também podemos sentir. A compaixão rompe com tudo aquilo que é mesquinho e rancoroso. Nos faz sentir os mesmos sentimentos que o nosso próximo/irmão esteja passando. Jesus não perguntou ao leproso se ele iria segui-lo, nem colocou restrições ou rótulos para que Ele pudesse fazer a cura. Cristo simplesmente movido por compaixão, toca e cura.

São Francisco sempre exortava seus frades a acolher a todos que batiam em sua porta, inclusive tem uma passagem em que os frades acolhem até os ladrões que vieram para roubar o convento. Acolher, cuidar e amar é próprio das pessoas que sentem compaixão. Num mundo guiado pela indiferença e mesquinhez, ter compaixão é um caminho que nos conduz a santidade. A compaixão nos torna mais humanos igual a Cristo, e nos tornando humanos iguais a Cristo, nos tornaremos santos iguais a Cristo.

Procuremos olhar ao nosso próximo e se não tivermos nada para ajudá-lo, ofereçamos compaixão a ele. Como? Um sorriso! Um sorriso pode ser um sinal de compaixão. Quantas vezes andamos pela rua, trem ou metrô e vemos pessoas de cara fechada, tristes, com pressa… Um sorriso pode salvar alguém de um dia difícil. Sorrir é uma maneira de ter compaixão. 

Paz e bem!

Paz e Bem! 

Conexão Acessibilidade #07

Deixe uma resposta