Cultura do “cancelamento” não é entretenimento!

Nos últimos dias uma enxurrada de notícias, opiniões e discussões trouxeram à tona um tema muito importante que merece nossa atenção e reflexão: Cultura do cancelamento é entretenimento? O título deste post já responde a essa questão! 

Se há 800 anos Francisco de Assis tivesse cancelado o leproso, como seria?! A caráter de contexto, o leproso na época do Santo de Assis era excluído não por um erro que cometeu, mas por possuir uma doença que não tinha cura. Sendo assim, era rechaçado e excluído, ou melhor, cancelado. No entanto, a vivência franciscana é uma experiência que nos convida ao encontro do outro, mesmo com aquele que é diferente de nós. Logo, usar de cancelamento não é nada franciscano muito menos é um ato cristão. 

Por cancelamento, entende-se uma ação da internet, onde determinados indivíduos julgam atos que consideram errados do outro. O termo é usado quando você deixa de seguir ou de ser fã de alguém após uma repercussão negativa de um fato que vá contra seus princípios, por exemplo. 

Já o cancelador é aquele que oprime, discrimina e ofende. Além de ser um “sabe tudo”, manda e desmanda e não consegue dialogar, usando sempre de linguagem chula. Raramente um cancelador consegue perceber que ocupa tal posição, nem mesmo quando a ele é oferecido a opção de rever sua postura. O cancelador, muitas vezes, segue a opção da massa, da maioria, sem de fato fazer uma real reflexão, apenas segue um movimento do trends do Twitter. Ou então, cancela apenas por não querer se confrontar com a opinião e a verdade do outro.

Nos últimos dias, todas as redes sociais relataram cenas arrebatadoras do maior reality show do país, onde indivíduos, alguns inclusive “cancelados” pelo público aqui fora, tornaram-se massacrantes “canceladores”. 

Discriminação não é entretenimento. Ofensas, preconceito, exclusão, opressão e humilhação também não. Vale lembrar que errar não cancela todos os outros fatos coerentes que um determinado indivíduo exerceu! Quando você cancela uma pessoa você torna impossível e veta o poder que um determinado indivíduo  tem de crescer e evoluir. O que vale é seguidor ou caráter? 

São Francisco de Assis nos ensina que empatia, acolhimento e diálogo são as verdadeiras armas contra canceladores. Através do abraço ao leproso de seu tempo, converteu tudo aquilo que era amargo em doçura e assim tornou-se um novo homem, um jovem renovado, um cristão que ao invés de fazer muros, construiu pontes. Sua vida é uma constante experiência de que caráter vale mais que seguidor, empatia mais que discriminação e de que a verdade vale muito mais que críticas massivas e ofensivas a uma pessoa por conta de um comportamento considerado pela “massa” como errado.

Vale a pena refletirmos e revermos nossa postura nestes meios digitais. Consigamos pois, ser verdadeiros portais de acolhimento, empatia, misericórdia e perdão para com os nossos irmãos e irmãs. Paz e Bem!

Em nome da equipe do Conexão Fraterna,

Frei Augusto Luiz Gabriel, OFM

Um comentário

Deixe uma resposta para Helena Arantes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s